Notícias

O Espiritismo do dia-a-dia

23 de Janeiro de 2020 às 10h05

Mahatma Gandhi, Joaquim Nabuco, Frei Damião. Pessoas de atividades e formação distintas, em diversas épocas, mas que acabam confundindo suas histórias em certo ponto de suas biografias: suas ações como nos ensina a doutrina dos espíritos, ainda que não fossem espíritas, ou a doutrina dos espíritos sequer existisse.

Gandhi, tendo como norte a filosofia hindu, buscou a paz, a não violência, sobretudo em momentos turbulentos como o processo de independência da Índia. Além do quesito religioso, somamos aí o aspecto filosófico de justiça que tornou o pensamento de Mahatma Gandhi dessa maneira coloca em evidência a lei de destruição e de conservação descrita por Kardec.

Joaquim Nabuco. Pernambucano, de família de posses, que dependia da estrutura escravocrata da época para aferir seu patrimônio, com ideais de justiça que surgem na primeira infância com as cenas que via, ao se formar em Direito, passa a militar em prol da causa abolicionista muito antes do fatídico 13 de maio de 1888. Pensava o fim da escravidão moderna de maneira diferente de como ocorreu em 88. A lei de igualdade descrita na questão 803 do LE seria o “mote” para servir de base a luta de Joaquim Nabuco, que já considerava que todos os homens são iguais. Na juventude agnóstico, na maturidade católico, mas que na vida além-túmulo, passa a psicografar, tratando de temas como a imortalidade da alma, justiça, equidade e progresso, presentes no livro Cartas de um Imortal, pela pena de Carlos Pereira.

Frei Damião é uma figura conhecida de nós nordestinos brasileiros. Você pode até não conhecer sua biografia a fundo, mas já ouviu falar sobre ele, e tem a imagem daquele frade com hábito franciscano (São Francisco é outro personagem que podemos abordar sob essa ótica, mas sua história é tão rica que merece um capítulo próprio) e de cabecinha torta. Damião andara pelo Nordeste fazendo pregações e confissões. Nessas pregações que denominava “Santas Missões” estimulava o abandono de vícios como fumo, bebida, jogo, tratava sobre justiça, igualdade, adultério, violência. Ou seja: Ouvir uma pregação de Frei Damião (há alguns vídeos disponíveis no Youtube) era um convite automático a reforma íntima. A sua cabeça torta, como muitos pensam, não era “de nascença”, mas sim consequência das muitas horas que passava ouvindo confissões em tal posição. Quantos de nós estamos dispostos a abraçar uma causa, qualquer que seja ela no bem, cientes de que ela irá nos causar dor, desconforto, e complicações físicas e orgânicas?

Esses são alguns exemplos que nos fazem refletir: Quantas pessoas no nosso dia-a-dia, sequer são espíritas, mas em suas atitudes são exemplo e levam a mensagem codificada por Kardec? Quantas pessoas anônimas carregam isso consigo? Babás, secretárias, garis, motoristas, costureiras, vendedores... aqueles que não estão em posições de destaque, mas revelam o exemplo e a presença do cristo aqueles que o cercam? É assim que devemos ser, exemplo, onde estivermos e a todo momento.

LE: Livro dos Espíritos

Flauber Barreto
Redator Espírita Online