31/10/2018 às 08h30

'Médicos do futuro serão poderosos médiuns', diz Fructuoso

Para Paulo Cesar Fructuoso, médicos trabalharão em parceria com colegas que estão nos planos espirituais

otempo Facebook Compartilhar

Paulo Cesar Fructuoso

Cirurgião, professor e palestrante espírita

Os médicos do futuro serão médiuns extremamente desenvolvidos e trabalharão em parceria com os colegas que estão nos planos espirituais. É o que afirma o cirurgião e palestrante espírita Paulo Cesar Fructuoso, autor do recém-lançado “A Medicina Mediúnica do Futuro”.

O senhor já publicou “A Face Oculta da Medicina”, “Espíritos Decaídos Materializados”, “Reflexões Espiritualistas e Científicas de um Médico”, “Alienígenas ou Médiuns?” e o recém-lançado “A Medicina Mediúnica do Futuro”, e faz parte da equipe mediúnica do Lar de Frei Luiz, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. De tudo o que o senhor presenciou por lá, o que mais o marcou?

O Lar de Frei Luiz recebe entre 4.000 e 5.000 pessoas em cada reunião e é o maior centro espírita do Rio de Janeiro. Curiosamente, é comandado por frei Luiz, assessorado por duas entidades católicas que atendem pelas denominações de frei Leonardo e padre Zabeu. Minha função é auxiliar os trabalhos executados por médicos espirituais incorporados em médiuns e que atendem os pacientes que apresentam males sobre os quais nossa medicina pouco pode ajudar, principalmente os cancerosos. Das milhares reuniões das quais participei, o que mais me marcou foram os fenômenos extremamente raros de materializações de espíritos desencarnados, em que médiuns ditos “de efeitos físicos”, sob profundo estado de transe sonambúlico, exalam um estranho fluido energético pelos orifícios naturais de seus corpos, denominado ectoplasma, através do qual esses seres espirituais organizam durante alguns momentos um corpo semelhante ao que possuíam em suas últimas encarnações. 

Como atuam esses sensitivos?

Eles funcionam como poderosos epicentros energéticos. Nesses encontros materializam-se médicos desencarnados munidos de equipamentos terapêuticos ainda completamente desconhecidos pela nossa ciência e tecnologia médica.

Do que trata seu último livro, “A Medicina Mediúnica do Futuro”?

Afirmo que os médicos do futuro serão poderosos médiuns. No Lar de Frei Luiz, médicos desencarnados materializam-se e incorporam-se completamente no corpo físico dos médiuns, fenômeno chamado de “superincorporação encarnação mediúnica” ou ainda “possessão positiva”. Enquanto na incorporação simples o médium percebe parcialmente o que está acontecendo e se lembra dos fatos, na superincorporação o médium nada percebe e não se lembra de nada. Com a posse completa do veículo físico do sensitivo, os médicos espirituais podem orientar energias extrafísicas de forma inteligente, executando diversos procedimentos, inclusive as chamadas “cirurgias hiperfísicas”, aquelas que ultrapassam os limites físicos dos corpos humanos. Com sua força mental inteligentemente direcionada, associada a seus supersentidos, como, por exemplo, a visão por transparência, microscópica e ultramicroscópica, eles promovem a desintegração de tumores, a extração de peças orgânicas defeituosas e sua substituição por próteses ectoplasmáticas, a desobstrução de vasos sanguíneos, a eliminação de corpos estranhos e parasitas e muitos outros prodígios, que certamente farão parte do arsenal terapêutico do futuro. 

É por isso que o senhor afirma que todo médico pode ser considerado médium?

Sim. Mesmo sem ter conhecimento dessa realidade, nós, médicos, estamos sempre acompanhados e somos intuídos pelos colegas de outros planos da existência. Enquanto cuidamos da parte física, eles zelam pelos corpos energético, vital e espiritual dos pacientes. Na grande maioria das doenças, estamos tratando apenas os efeitos, desconhecemos quase na totalidade as causas, principalmente as relacionadas com doenças genéticas, mas no futuro, com nossos sentidos mediúnicos desenvolvidos e com a ajuda indispensável dos médicos do além, cuidaremos das causas das doenças, e isso será tema de congressos e seminários médicos em todo o mundo. 

Onde estão as causas de muitas enfermidades, como o câncer?

No corpo espiritual, mais precisamente no perispírito, o envoltório do espírito e que o conecta ao corpo físico. Tudo o que fazemos, falamos e pensamos repercute positiva ou negativamente nesse componente. Qualquer ato que gere sofrimento ao semelhante ou prejuízo à natureza do planeta que habitamos promove sua deformação, que será mais ou menos profunda de acordo com o mal praticado. Para reequilibrarmos o perispírito voluntariamente danificado, muitas vezes precisaremos de um corpo físico que atuará como um aspirador das impurezas geradas por nós mesmos, promovendo assim sua reparação. Tudo que aqui coloco será objeto de profundos estudos nas escolas médicas do futuro. Ao ingressar nas faculdades de medicina, os médicos do porvir terão seu DNA analisado a fim de se detectar a ativação dos genes da mediunidade. Caso essa característica genética esteja presente, serão desenvolvidos e orientados por profundos estudiosos do assunto, a fim de saberem como exercitar adequadamente seus poderes sensitivos. Os médicos do futuro vão assemelhar-se aos deuses da mitologia grega.

Como caminham a medicina terrena e a medicina espiritual?

A terrena não aceita a influência mediúnica no nosso trabalho, muito menos os fenômenos ligados à ectoplasmia, porque, sendo extremamente raros e cientificamente incompreensíveis, não podem ainda ser repetidos em laboratório. Por outro lado, a quantidade de energia envolvida em tais ocorrências é tamanha, que a ciência não acredita ser possível. Se pegarmos 60 g do nosso corpo e medirmos a energia dos átomos utilizando a fórmula de Einstein (E=mc²), obteremos quantidade suficiente de força para construir cem bombas atômicas, semelhantes à que foi lançada em Hiroshima. Eu peso 90 kg e, portanto, meu corpo físico gera energia equivalente a 150 mil bombas atômicas, isso sem considerar as energias extrafísicas ou espirituais. Se eu soubesse canalizar de forma inteligente tamanha gama de forças, talvez conseguisse acalmar o vento ou o mar como fez Jesus. Os espíritos que reencarnarem no futuro como médicos, e certamente estarei entre eles, terão a sua disposição um corpo mais perfeito do que temos hoje e mais resistente a doenças infectocontagiosas, ao câncer e muitas outras. Mas, acima de tudo, possuirão outros sentidos, que os tornarão capazes de exercer com mais eficiência a missão de cuidar da saúde humana. 

A ciência caminha para validar a existência do corpo espiritual?

A tecnologia ligada à medicina está cada vez mais sensível. Já utilizamos a antimatéria no escrutínio do corpo humano em procedimentos como o PET-scan, um tipo de tomografia que gera imagens por emissão de pósitrons, que são elétrons com carga positiva, enquanto os elétrons da matéria têm carga negativa. Tal tecnologia se tornará tão sensível que poderemos no futuro detectar os componentes energético, espiritual e imortal com os quais somos constituídos. Será possível perceber a separação entre o corpo e a alma no momento da morte.

“A Medicina Mediúnica do Futuro”
Paulo Cesar Fructuoso