20/12/2017 às 08h35

As con­cep­ções que di­fe­rem em fun­ção das re­li­gi­ões e fi­lo­so­fi­as

dm.com.br Facebook Compartilhar

Na épo­ca em que Kar­dec vi­veu, as fi­lo­so­fi­as de cu­nho ate­ís­ta es­ta­vam em vo­ga, co­mo tam­bém a ideia de Deus so­fria um re­du­cio­nis­mo que che­ga­va ao pon­to de lhe atri­bu­ir um as­pec­to an­tro­po­mór­fi­co, com atri­bu­tos hu­ma­nos ina­cei­tá­veis, no que con­cer­ne aos prin­cí­pios de jus­ti­ça e uni­ver­sa­li­da­de. En­quan­to uma eli­te in­te­lec­tu­al cons­tru­ía o seu pró­prio pen­sa­men­to, a po­pu­la­ção me­nos ins­tru­í­da se­guia a tra­di­ção de há­bi­tos fa­mi­lia­res, for­man­do uma con­cep­ção bas­tan­te he­te­ro­ge­nia.

Es­sa ver­ten­te é abor­da­da no li­vro “Das cau­sas pri­má­rias” – FE­E­GO Edi­to­ra, de Ota­ci­ro Ran­gel Nas­ci­men­to, con­sul­tor ci­en­tí­fi­co do CNPq, Ca­pes e Fa­pesp.

O au­tor fo­cou as­pec­tos do co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co atu­al com os con­cei­tos apre­sen­ta­dos em “O Li­vro dos Es­pí­ri­tos”, de Al­lan Kar­dec em sua par­te pri­mei­ra: se­ten­ta e cin­co ins­ti­gan­tes ques­tões que de­ram ori­gem à 5ª obra da Co­di­fi­ca­ção Kar­de­qui­a­na: A gê­ne­se – que com­ple­ta 150 anos em 2018.

Ota­ci­ro cor­re­la­ci­o­na o tra­ba­lho de Kar­dec com a Ci­ên­cia de ho­je. Sua in­ten­ção é con­ver­sar com o lei­tor co­mo quem es­tá nu­ma ro­da de ami­gos, fa­lan­do so­bre a Ci­ên­cia atu­al, o mun­do, o Uni­ver­so e as di­ver­sas con­cep­ções de Deus.

Con­cep­ções que di­fe­rem em fun­ção das re­li­gi­ões e fi­lo­so­fi­as e até da ten­dên­cia mo­der­na de ex­clu­ir a ideia de Deus do con­tex­to de tu­do que se re­fi­ra à Cri­a­ção.

Ele ini­cia pe­lo pri­mei­ro ques­ti­o­na­men­to do mes­tre de Li­on aos Es­pí­ri­tos lu­mi­na­res que ori­en­ta­ram a Co­di­fi­ca­ção do Es­pi­ri­tis­mo.

A res­pos­ta dos Es­pí­ri­tos à Kar­dec, na pri­mei­ra ques­tão: “Que é Deus? “, le­va a con­si­de­ra­ções se­mân­ti­cas, gra­ma­ti­cais e fi­lo­só­fi­cas.

Ao per­gun­tar “Que é, e não Quem é Deus? – Kar­dec pre­nun­cia de­san­tro­po­mor­fi­za­ção da ideia da Di­vin­da­de. Cai por ter­ra a ilu­só­ria ca­rac­te­ri­za­ção do Cri­a­dor co­mo o an­ci­ão co­ro­a­do, de bar­bas bran­cas e lon­ga tú­ni­ca. Fi­ca ex­cluí­da a ima­gem de Deus as­se­me­lha­da à fi­gu­ra hu­ma­na an­ces­tral.

Co­mo con­se­quên­cia o ques­ti­o­na­men­to “Que é?” – dei­xa os Es­pí­ri­tos li­vres pa­ra apre­sen­ta­rem no­va ma­nei­ra de pen­sar, des­ti­tu­í­da de um mo­de­lo ain­da que in­con­sci­en­te­men­te já ima­gi­na­do.

Têm-se as­sim uma ma­nei­ra dis­tin­ta de pen­sar em Deus, ex­clu­in­do to­do pen­sa­men­to as­so­cia­do à ma­té­ria, su­ge­rin­do pen­sar Ne­le sob o pris­ma es­pi­ri­tual que so­mos e não co­mo ser ma­te­ri­al que es­ta­mos – elu­ci­da o au­tor.

Re­fe­re-se à mis­são pri­mor­di­al da Dou­tri­na Es­pí­ri­ta: es­pi­ri­tua­li­zar to­das as ati­vi­da­des hu­ma­nas , in­clu­si­ve a re­li­gi­o­sa. Le­va-nos a pen­sar em Deus sob o pris­ma do es­pí­ri­to imor­tal que so­mos e não co­mo ser ma­te­ri­al que es­ta­mos.

A res­pos­ta da­da re­fle­te a pro­fun­di­da­de do axi­o­ma: “Deus é in­te­li­gên­cia su­pre­ma, cau­sa pri­má­ria de to­das as coi­sas.” Re­pre­sen­ta tu­do o que os se­res hu­ma­nos po­dem com­pre­en­der de Deus.

Con­ti­nua o pes­qui­sa­dor: In­te­li­gên­cia Su­pre­ma é al­go tão ma­ra­vi­lho­so e fan­tás­ti­co que dis­pen­sa dis­cus­são ou con­tro­vér­sia, por ser con­cei­tu­a­ção uni­ver­sal. O fa­to de ser a cau­sa pri­má­ria de to­das as coi­sas é uma con­se­quên­cia de ser a in­te­li­gên­cia su­pre­ma.

Nes­ta pers­pec­ti­va é im­pos­sí­vel acei­tar que o aca­so pos­sa cri­ar com êxi­to tan­tas ma­ra­vi­lhas. Res­ta-nos re­ju­bi­lar­mo-nos por fa­zer par­te des­ta Cri­a­ção e po­der pen­sar pa­ra com­pre­en­dê-la.

A in­te­li­gên­cia su­pre­ma não er­ra; tu­do o que foi cri­a­do tem uma ra­zão de ser e se não a com­pre­en­de­mos é por fal­ta ain­da de evo­lu­ção .

Fi­ca cla­ro na obra que Deus não cri­ou o Uni­ver­so e sim que Deus cria o Uni­ver­so, pois as trans­for­ma­ções mos­tram cons­tan­te­men­te um Uni­ver­so em ex­pan­são.

Re­la­ta Ota­ci­ro que na as­tro­fí­si­ca e na as­tro­no­mia mo­der­nas é cons­tan­te a ob­ser­va­ção e des­co­ber­ta de no­vas es­tre­las, no­vos sis­te­mas pla­ne­tá­rios, as­sim co­mo ex­plo­sões de es­tre­las em um Uni­ver­so cheio de ati­vi­da­des.

Ci­ta co­mo exem­plo as Plêi­a­des, es­tre­las jo­vens de ape­nas 200 mi­lhões de anos de for­ma­ção, con­vi­ven­do em har­mo­nia com o nos­so Sol com seus 5 mi­lhões de anos de vi­da, apro­xi­ma­da­men­te, com es­tru­tu­ra pla­ne­tá­ria con­so­li­da­da.

As re­fle­xões do es­tu­di­o­so mos­tram que os Es­pí­ri­tos nos apre­sen­tam um con­cei­to di­nâ­mi­co e não es­tá­ti­co de Deus, co­mo aque­le que se ori­gi­na da in­ter­pre­ta­ção in­gê­nua da Gê­ne­se Bí­bli­ca, ini­bin­do nes­ta aná­li­se a já ci­ta­da ideia an­tro­po­mór­fi­ca de Deus.

To­dos os re­la­tos e ci­ta­ções pre­sen­tes na obra vêm am­pli­ar o cam­po pa­ra a pes­qui­sa em re­la­ção às pro­vas da exis­tên­cia de Deus.

Leia “Das cau­sas pri­má­rias” e re­ti­re des­se en­saio fi­lo­só­fi­co – de quem vai além da per­cep­ção co­mum à pos­si­bi­li­da­de de uma in­te­li­gên­cia me­nor es­pe­cu­lar so­bre a In­te­li­gên­cia Su­pre­ma: fan­tás­ti­ca as­so­cia­ção da gê­ne­se en­tre ci­ên­cia e es­pi­ri­tua­li­da­de.



(El­zi Nas­ci­men­to – psi­có­lo­ga clí­ni­ca e es­cri­to­ra / El­zi­ta Me­lo Quin­ta – pe­da­go­ga – es­pe­cia­lis­ta em Edu­ca­ção e es­cri­to­ra. São res­pon­sá­veis pe­lo Blog Es­pí­ri­ta: lu­zes­do­con­so­la­dor.com. Elas es­cre­vem no DM às sex­tas-fei­ras e aos do­min­gos. E-mail: iop­ta@iop­ta.com.br (062) 3251 8867)