@espiritaon #divulgandoobem
25/09/2017 às 09h05

O espiritismo é bíblico e científico, daí ser tão atacado!

O tempo Facebook Compartilhar

Começamos esta coluna com uma frase popular que lembra muito seu assunto: “À beira da estrada, a árvore de frutas mais apetitosas é a mais apedrejada!” E por que será que a religião espírita é a mais atacada?

“Toda verdade passa por três etapas: primeiro é ridicularizada. Depois é violentamente antagonizada. Por último, ela é aceita universalmente como autoevidente” (Shopenhauer). E, igualmente, Max Planck, o pai da física quântica, pensava como Shopenhauer, pois disse mais ou menos o seguinte: Toda verdade quando surge, encontra grande resistência dos cientistas e sábios da sua geração, mas na seguinte, ela já começa a ser admitida para se tornar vitoriosa no futuro. E com a verdade espírita não foi diferente. E, realmente, até mesmo por inveja ou ciúme, muitos não aceitam logo uma nova verdade, porque eles é que queriam ter a honra de a terem descoberto!

E porque o espiritismo é de fé raciocinada e com o respaldo da Bíblia e da ciência não materialista, ele incomoda muito os líderes de outras religiões baseadas em dogmas contrários à lógica, ao bom senso, à razão, e impostos pela força.

De fato, o espiritismo é ciência, filosofia e religião. E é ciência experimental de renomados cientistas, inclusive até de prêmio Nobel como o físico inglês William Crookes e o médico francês Charles Richet. William Crookes é também o inventor do tubo catódico e o descobridor da energia radiante. Ele estudou e comprovou o fenômeno mediúnico famoso do fantasma de Kathie King com a médium Florence Cook, como também os não menos famosos de materializações tactáveis do médium inglês de efeitos físicos Daniel Dunglas Home. Já Charles Richet ganhou o prêmio Nobel por suas pesquisas em anafilaxia.

E ainda merecem ser citados outros grandes cientistas e sábios do passado e do presente, também de fama mundial em suas pesquisas dos fenômenos espíritas, entre eles, Akasacof, Conan Doyle, Wallace, Lodge, Delanne, Léons Denis, Ernesto Bozzano, Henri Bérgson, Edouard Brandly, Arséne d’Arsonval, Victor Hugo, Cel Rochas, Lombroso (médico criminalista italiano) e Flammariom (astrônomo e escritor francês), alguns dos quais estudaram a famosa médium Eusápia Palladino. Para quem quiser saber mais: “A Reencarnação como Lei Biológica”, de Décio Iandoli Júnior, titular da cadeira de fisiologia da Universidade Santa Cecília (Unisanta), Santos (SP), e vice-presidente da Associação Médico-Espírita de Santos (AME-S).

Um dos fenômenos espíritas que mais impressionam as pessoas é o de escrita direta. Eis um exemplo dela: durante uma reunião mediúnica, coloca-se um papel dentro duma gaveta ou cofre e nele aparece escrito um texto sem que o espírito manifestante use a mão de um médium para escrevê-lo. O famoso William Crookes, a quem já nos referimos, e outros renomados cientistas comprovaram com o rigor científico a realidade desse fenômeno, tendo Crookes declarado que até o barulho do lápis escrevendo dentro das gavetas ou cofres ele escutava! Algum leitor dirá que isso deve ser truque ou coisa do diabo. Engano, pois na própria Bíblia temos também um exemplo de escrita mediúnica direta (Daniel 5: 5): num banquete do rei Balsazar, à sua frente e do candeeiro, apareceram uns dedos humanos escrevendo na parede do palácio! O espiritismo é assim mesmo, tão claro que só não vê quem não tem olhos de ver! Daí ele ser tão atacado!