19/11/2018 às 09h10

Saibamos cooperar

Emmanuel / Chico Xavier

Facebook Compartilhar

“Porque sem mim nada podeis fazer.” Jesus (João, 15:5)


O divino poder do Cristo, como representante de Deus, permanece latente
em todas as criaturas.
Todos os homens receberam dele sagrados dons, ainda que muitos se
mantenham afastados do campo religioso.
Referimo-­nos aqui, porém, aos cultivadores da fé, que iniciam o esforço
laborioso e longo da descoberta dos valores sublimes que vibram em si mesmos.
Grande parte suspira por espetaculares demonstrações de Jesus em seus
caminhos, e companheiros incontáveis acreditam que apenas cooperam com o
Senhor os que se encontram no ministério da palavra, no altar ou na tribuna de
variadas confissões religiosas.
Urge, entretanto, retificar esse erro interpretativo.
O Senhor está conosco em todas as posições da vida. Nada poderíamos
realizar sem o influxo de sua vontade soberana.
Diz­nos o Mestre com clareza: — “Eu sou a videira, vós as varas.”
Como produzir alguma coisa sem a seiva essencial?
Efetivamente, os aprendizes arguciosos poderão objetar que, nesse critério,
também encontraremos os que praticam o mal, alicerçados nas mesmas bases.
Respondendo, consideraremos somente que semelhantes infelizes enxertam cactos
infernais na Videira Divina, por conta própria, pagando elevado preço, perante o
Governo do Universo.
Reportamo-­nos aos companheiros tímidos e vacilantes, embora bem intencionados, para concluir que, em todas as tarefas humanas, podemos sentir a
presença do Senhor, santificando o trabalho que nos foi cometido. Por isso, não
podemos olvidar a lição evangélica de que seria abençoado qualquer esforço no
bem, ainda que fosse apenas o de ministrar um copo de água pura em seu nome.
O Mestre não se encontra tão ­somente no serviço daqueles que ensinam a
Revelação Divina, através da palavra acadêmica instrutiva ou consoladora.
Acompanha os que administram os bens do mundo e os que obedecem às
ordenanças do caminho, concorrendo na edificação do futuro melhor, nas
organizações materiais e espirituais.
Permanece ao lado dos que revolvem o chão do Planeta, cooperando na
estruturação da Terra Aperfeiçoada, como inspira os missionários da inteligência na
evolução dos direitos humanos.
Saibamos cooperar, desse modo, nos círculos de serviço a que fomos
chamados para o concurso cristão.
Faze, tão bem quanto esteja em tuas possibilidades, a obra parcial confiada
às tuas mãos.
Por hoje, talvez te enganes, supondo servir às autoridades terrestres, no
entanto, chegará o minuto revelador no qual reconhecerás que permaneces a serviço
do Senhor. Une-­te, pois, ao Divino Artífice, em espírito e verdade, porque o
problema fundamental de nossa paz é justamente o de saber se vivemos nele tanto
quanto ele vive em nós