Blogs

Gilton Carlos - @espiritismoeevangelho

"Gilton Carlos é da cidade de Tucuruí, estado do Pará. Auxilia no Centro Espírita Allan Kardec, na mesma cidade, realizando palestras, coordenando o estudo do Evangelho, juventude e o grupo de arte espírita. Além disso, tem contribuído na divulgação da doutrina espírita com reflexões, mensagens e estudos no youtube e facebook (Espiritismo e Evangelho).

‹ VEJA TODOS OS POSTS
23/12/2018 às 15h40

O primeiro Natal

Facebook Compartilhar

Arroubos de luz vestiam

O céu oriente na famosa noite estival.

Peregrinos em várias direções seguiam

Recebendo da Águia ordem imperial.


Um homem justo tomou sua esposa

Buscando sua urbe terrestre.

A família simbolizava, sagrada e maviosa,

O retorno à casa celeste.


Então, em Belém, o mundo ansioso,

Que aguardava a chegada do Emissário bondoso,

Sorriu, na face coroada

De amor sublime e majestoso.


Estrela, de candura e inocência,

Na singularidade infantil surgia.

O grande Mestre, enfim trazia,

No primeiro natal, a carta da paz

Que na areia do tempo se faz.


No velário noturno

A Luz na terra, envolvia o linho, singela

Sem o conforto e sem excesso, ainda mais bela...


Na manjedoura, trama radiosa tecida de amor,

Colimadas numa só imagem

Via-se o repasto celeste

No inesquecível celeiro agreste.


O divino emissário dizia

Em silêncio, eloquente expressividade.

Encenava com a própria vida

A grande lição da humildade.


No mesmo local, a vigília noturna guardava surpresa

Aos pastores em singela tarefa camponesa.


Viram um emissário, por véu

E a princípio recuaram, temerosos.

Pois, nem todos os Espíritos são do céu.


A serenidade tranquilizou o pavor:

- “Não temais, as novas que trago são a paz e o louvor.

Terminou-se o processo,

É a hora do regresso.

O mundo já tem no seio o Cristo Salvador”.


Nesta hora, deu a eles um sinal.

E a partir dali, a manjedoura

Seria o mavioso símbolo do Natal.


Ao pronunciar da palavra,

Que resumia a primeira lição,

Grande foi a comoção.


Que anjos do céu, em brilho

Entoaram um estribilho

Ligando do alto, a grandeza de Deus,

À paz na terra, à boa vontade dos filhos seus.


Os pastores entreolhando-se, concluíram

Em gratidão e alegria, ir à Belém.

Mas, aquele sentimento foi além.


Grande foi a recompensa ao ver na justeza paternal:

A atenção cuidadosa, o amor de mãe,

E entre beijos de luz,

O pequeno, tão doce, o amado mestre Jesus.


O inesquecível encontro que relatavam

A todos causava maravilha.

Ouvidos moucos já ensaiavam

Os primeiros raios da alegria.


Enquanto o coração de Maria

Registrava a emoção

A simplicidade do campo confirmava,

Na sublime revelação,

O momento que o orbe aguardava.


Pois agora, com Jesus

A epopeia seria cantada

Com rimas de amor, perdão e de luz.



(...)

Estive um pouco ausente aqui do site... Ainda assim, gostaria de dividir essas palavras de emoção que nosso Mestre nos inspira, em especial nestes dias que relembramos sua vinda à terra.

Que seja este momento mais uma oportunidade aproveitada para trazermos nosso querido Jesus para a manjedoura íntima de nosso coração, fazendo de nossos sentimentos verdadeiras dádivas a lhes ofertar, sob a vigilância amorosa de José e o olhar divino de Maria.

Uma feliz noite de natal.


Este poema será publicado na Antologia "Luz de Natal", que reúne escritores falantes de língua portuguesa de vários países (lançamento em breve, pela editora portuguesa Sui Generis).